POLÍTICA

POLÍTICA

G1 - 10:03 13/09/2017

Câmara lança ferramenta na web para usuário opinar sobre o que deve ser votado

Objetivo é identificar propostas com maior apoio da população. Para Rodrigo Maia, ferramenta 'aproxima' sociedade e Congresso

Foto: Reprodução.

Câmara dos Deputados lançou ontem (12) uma ferramenta de participação popular na internet para permitir ao cidadão opinar sobre o que ele acha que deve ser votado pelo plenário.

O objetivo é identificar os projetos com maior apoio da população e, para o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a ferramenta vai "aproximar" sociedade e Congresso Nacional.

Os projetos mais bem avaliados, porém, não obrigatoriamente serão votados.

"Obrigatório [de ser votado], óbvio que não. Não tem nada na lei que obrigue. [Mas] acho que é um instrumento que vai aproximar a sociedade do parlamento e vai colocar na agenda assuntos que já estão avançados na Casa", declarou.

Tanto na Câmara quanto no Senado os projetos a serem incluídos na pauta de votações são discutidos previamente em reuniões dos líderes partidários com os presidentes das duas Casas.

Como vai funcionar?

O cidadão precisa se cadastrar no Pauta Participativa;

A cada duas semanas serão apresentados projetos em três áreas diferentes, como saúde, segurança e política;

Os projetos que a população poderá escolher já podem ser incluídos na pauta do plenário;

Cada participante tem o direito de optar por até dois projetos em cada tema;

O projeto vencedor em cada tema é aquele que conseguir o maior saldo de votos;

O prazo de consulta é de duas semanas. Ao final desse período, a Câmara colocará em pauta os projetos de cada tema que tenham obtido o maior saldo positivo de votos, ou seja, votos favoráveis menos votos contrários.

Enquetes

Em fevereiro, a Câmara decidiu acabar com as enquetes no site sobre projetos apresentados pelos deputados devido a uma brecha que permitia aos usuários votar mais de uma vez.

A falha no site abriu um embate entre defensores e opositores de uma proposta para legalizar a caça de animais no Brasil.

As enquetes que eram disponibilizadas na página da Câmara não tinham peso de decisão na tramitação dos textos. A consulta servia somente de termômetro sobre a percepção da sociedade com relação a uma proposta, podendo ser usada como referência pelos deputados.

EDIÇÃO IMPRESSA