CULTURA

CULTURA

Rede Nordeste - 09:22 16/05/2018

Spotify apresenta nova política e remove artistas que promovem discursos de ódio

A medida acontece semanas após a iniciativa do 'Time's Up' de realizar uma campanha de pressão pública para tentar 'boicota' as músicas de dois artistas

Para tentar solucionar esse problema, a empresa afirmou que construiu uma ferramenta de monitoramento automatizada. (Foto: Reprodução)

O Spotify anunciou na última quinta-feira (10), uma nova política que remove músicas de artistas controversos das listas de reprodução do serviço de streaming. Para tentar solucionar esse problema, a empresa afirmou que construiu uma ferramenta de monitoramento automatizada, o Spotify AudioWatch, em que os conteúdos considerados impróprios em todo o mundo, serão automaticamente excluídos.

A medida acontece semanas após a iniciativa do 'Time's Up', de ter iniciado uma campanha de pressão pública para tentar 'boicotar' as músicas de dois artistas - o cantor R Kelly e o rapper XXXTentacion - que, segundo a empresa, foram removidos de todas as suas listas de reprodução oficiais. "Não censuramos conteúdo por causa do comportamento de um artista ou criador, mas queremos que nossas decisões editoriais - o que escolhemos programar - reflitam nossos valores", disse o Spotify em um comunicado.

A nova política ainda se compromete “expressamente e principalmente promove, defende, ou incita o ódio ou violência contra um grupo ou indivíduo baseado em características, incluindo raça, religião, gênero, identidade, sexo, etnia, nacionalidade, orientação sexual, status de veterano ou deficiência ”.

Outras empresas 

O Spotify é o primeiro alvo do quarteto de empresas a responder oficialmente à campanha, embora a Ticketmaster tenha removido R Kelly de um concerto planejado em Chicago sem nenhuma explicação direta.

"Quando somos alertados sobre conteúdo que viola nossa política, podemos removê-lo (consultando os detentores de direitos) ou abster-se de promovê-lo ou listá-lo em nosso serviço", disse a empresa em um comunicado . "É importante para nós que nossos valores sejam refletidos em todo o trabalho que fazemos, seja distribuição, promoção ou criação de conteúdo". 

No entanto, a revista Billboard relata que o Spotify aplicou silenciosamente uma versão da nova política "nos últimos anos" sem divulgá-la, e também informa que a Apple Music parou de promover R Kelly em suas próprias playlists "há vários meses sem realizar qualquer tipo de anúncio. 

Segundo o site Venture Beat, o Spotify está convencido de que esta nova política não servirá como um free-for-all quando se trata de derrubar música ofensiva, no entanto. "É importante lembrar que os padrões culturais e as sensibilidades variam muito", afirmou. "Sempre haverá conteúdo que é aceitável em algumas circunstâncias, mas é ofensivo em outros, e nós sempre veremos todo o contexto."

Para identificar conteúdo odioso, o Spotify disse que fez parcerias com uma série de grupos de defesa de direitos, como o Centro de Leis da Pobreza do Sul, Liga Anti-Difamação, Cor da Mudança, Aparecendo pela Justiça Racial (SURJ), GLAAD, Defensores Muçulmanos e a Rede Internacional Contra o Ciberdeio.

Reposta 

O cantor R Kelly, que anteriormente afirmou que a campanha #MuteRKelly era um "linchamento público de um homem negro", e acusou o Spotify de basear sua decisão em "alegações falsas e não comprovadas" e "reverenciar as tendências da mídia social".

Segundo o site Independent, XXXTentacion, que está aguardando julgamento acusado de violência doméstica em uma mulher grávida e falsa prisão, não quis comentar sobre o assunto. Seus representantes, no entanto, questionaram se o Spotify continuaria a incluir em suas listas de reprodução outros artistas acusados de abusar de mulheres, incluindo Gene Simmons, David Bowie, Dr Dre e James Brown.

EDIÇÃO IMPRESSA