CULTURA

CULTURA

Daniela Souza e Domingos de Almeida - 13:19 16/05/2018

Companhia de teatro do Centro de Ensino Urbano Rocha participa de vivência teatral 

A Companhia completa 5 anos em setembro e prepara uma série de apresentações para festejar o aniversário e celebrar a cultura negra

As atividades iniciaram na manhã do dia 12, com dinâmicas e conversações sobre o corpo do ator/atriz e seguiram até o fim da tarde. (Fotos: Eliene Oliveira)

No período de 12 a 15 de maio, atores e atrizes da Companhia Afro de Teatro Reinvent’arte, do Centro de Ensino Urbano Rocha e Centro de Cultura Negra Negro Cosme (CCNNC) de Imperatriz participaram da atividade “Vivências Teatrais: para (re)pensar territórios subjetivos”, conduzida pela advogada e atriz, Eliene Rodrigues, de Uberlândia-MG. 

A atividade foi realizada no âmbito do Seminário “Direito e Cultura para Plenitude Cidadã”, promovido pela Casa das Artes de Imperatriz, como parte do III Festival da Cultura Popular que será realizado na cidade este ano, homenageando o Mestre da Cultura Popular, Osório Neto. 

As atividades iniciaram na manhã do dia 12, com dinâmicas e conversações sobre o corpo do ator/atriz e seguiram até o fim da tarde. Foram retomadas na segunda-feira e terça-feira, e finalizaram com a participação no seminário sobre direito, cultura e cidadania, no polo da Universidade Aberta do Brasil (UAB).  

Contribuíram com a vivência, via “prosa virtual”, no dia 12, Flávio Campos, bailarino-pesquisador-intérprete e professor Adjunto do Bacharelado em Dança da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM-RS), que falou sobre “O método BPI e as culturas populares brasileiras: diálogos sobre a formação e criação nas artes da cena”; Karú Torres, produtora editorial, especialista em gestão cultural, produtora e gestora cultural em Belo Horizonte-MG, que proseou na segunda (14) sobre “trajetórias em produção com a cultura negra e popular”. 

Além dos atores e atrizes da Companhia Afro, participaram também, os estudantes Marcos Joab Dias dos Santos e Caio Nunes Ferreira do CE Henrique de La Rocque, município de João Lisboa, a Jornalista Idayane Ferreira e a Educadora Popular Maju Silva, ambas da Organização Justiça nos Trilhos de Açailândia. 

Das Vivências Teatrais, além das aprendizagens, a Companhia Afro de Teatro Reinvent’arte recebeu o convite para participar do Festival de Arte Negra (FAN), que será realizado em 2019 na capital mineira. A Companhia completa 5 anos em setembro e prepara uma série de apresentações para festejar o aniversário e celebrar a cultura negra.    

III Festival de Cultura Popular 

O III Festival de Cultura Popular encerrou na noite de terça-feira (15) com a participação da professora universitária Helena Mendes, pesquisadora de comunidades quilombolas na região do estado do Tocantins. Com o tema 'Direitos culturais no Brasil e o olhar quilombola' a professora ressaltou o valor da terra às comunidades quilombolas e a relação de coletividade vivida por eles.  

"Peço que vocês experimentem viver a partir do conceito 'Alteridade'. Um exercício de olhar o outro na sua vertente social que ele vive e ter uma relação de interação e com o outro. Por esse motivo, o "eu" na sua forma individual só pode existir através de um contato com o "outro". A diversidade é um estado de construção de conhecimento", afirmou a professora ao final da sua palestra.  

EDIÇÃO IMPRESSA