CIDADE

CIDADE

Hyana Reis - 13:15 14/09/2018

Cai o número de embarques e desembarques no aeroporto de Imperatriz

Segundo dados da Infraero, em 2017 o aeroporto apresentou redução no fluxo em comparação com 2016

Houve uma redução de quase 25% no número de embarques e desembarques. (Foto: Reprodução)

O número de embarques e desembarques no aeroporto Renato Cortez Moreira diminuiu, segundo dados da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). A redução de voos por parte das companhias áreas e a saída da Gol de Imperatriz são apontadas como causas.

Em 2017 foram registrados 10.385 embarques e 9.164 desembarques no aeroporto de Imperatriz, segundo relatório da Infraero. Em 2016 a soma dos embarques foi de 14.015 e de desembarque 12.180. Isso representa uma redução de cerca de 25% no fluxo de passageiros.

Além da crise econômica que se instalou no país, a retirada de aeronaves e voo comerciais da cidade contribuíram para este cenário, segundo Hugo Paiva, Secretário Adjunto de Turismo do Maranhão. “A companhia aérea Gol retirou operação de Imperatriz. Foram retiradas aeronaves que estavam sempre lotadas de passageiros, por uma questão estratégica, que nós fomos completamente contra”, explica.

Atualmente duas empresas atuam com voos comerciais no aeroporto de Imperatriz: Latam e Azul Linhas Aéreas. Elas oferecem voos com destino a Brasília e a capital São Luís, em horários da tarde, noite e da madrugada. Desde março deste ano, a companhia aérea Azul também passou a oferecer o trecho direto entre Imperatriz e São Paulo.

Relembre a saída da Gol

Em 2016 a companhia aérea Gol anunciou que encerraria suas atividades em Imperatriz. A empresa operava com voos com destino a São Luís. A decisão foi justificada pela direção por meio de nota que dizia que a suspensão visava “racionalizar a capacidade e otimizar a malha área da companhia ajustando a oferta de voos de acordo com a demanda e atual cenário do setor”.

A decisão de retirar os voos foi contestada pela Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur), que na época informou que O Governo do Maranhão realizou uma série de negociações com as companhias aéreas brasileiras para a expansão da malha aérea e maior visibilidade do Maranhão. Entre as ações foi autorizada redução da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do Querosene de Aviação (QAV), assinada pelo governador Flávio Dino.

Porém, mesmo após tentativas de negociação, a Gol manteve a decisão de retirada de voos da cidade, e segue operando na capital, São Luís.

EDIÇÃO IMPRESSA